Pernambuco perde patrimônio vivo: aos 71 anos, morre sanfoneiro Arlindo dos 8 Baixos

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 24/10/2013 às 9:30
Leitura:
Da Redação Atualizada às 16h32 01 Foto: JC Imagem Pernambuco perdeu na tarde dessa quarta-feira (23) um de seus patrimônios vivos. O forrozeiro Arlindo dos Oito Baixos, referência mundial na sanfona de oito baixos, instrumento conhecido pela dificuldade de se dominar, passou mal e morreu durante uma sessão de hemodiálise, no Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip). Ele tinha 71 anos, 50 só de carreira, e deixou um legado incalculável pra a cultura pernambucana. Milenna Gomes, especial para a Rádio Jornal, traz uma reportagem em homenagem ao músico: Arlindo sofria de diabetes há 18 anos e há pelo menos 15 havia perdido boa parte da visão. Também por complicações da doença, no último ano ele precisou amputar as duas pernas. Mas, segundo amigos, Arlindo não se deixou abalar pela enfermidade. Mesmo debilitado, continuou tocando. 02 Foto: Divulgação Quem me inspirou a pegar no instrumento foi meu pai, que tocava a sanfona de oito baixos. Ele morava no engenho e quando tinha festa no engenho chamavam meu pai pra tocar. Eu achava bonito aquilo ali. Através do instrumento, a pessoa se torna outra pessoa. Arlindo dos Oito Baixos. Assista o filme de Anselmo Alves, "Arlindo dos 8 Baixos: o mestre do Beberibe": O tocador nasceu em Sirinhaém, no litoral norte de Pernambuco, deixou três filhos de sangue e outros dois de criação, além de uma dezena de netos. A maioria seguiu pelo caminho da música. Raminho da Zabumba, filho de Arlindo, conta que para ele a morte do músico foi duplamente sofrida. Além do pai, ele perdeu o ídolo. Arlindo dos oito baixos foi muito amigo de Dominguinhos, falecido em 23 de julho deste ano, e de Luiz Gonzaga, que sempre frequentavam o forró organizado pelo músico. O corpo do tocador começou a ser velado desde a quarta-feira, no Imip. Às 11 horas desta quinta-feira (24) ele segue para a Câmara dos Vereadores do Recife, onde deve ficar até perto das 16h. De lá, segue em cortejo em um caminhão do Corpo de Bombeiros acompanhado de sanfoneiros até o Cemitério de Santo Amaro, onde será sepultado. O repórter da Rádio Jornal Rafael Carneiro traz outras informações do velório do músico, no início da manhã desta quinta, no Imip. Muitas pessoas estiveram na Câmara dos Vereadores do Recife para prestar uma última homenagem ao sanfoneiro. Alguns músicos tocam e várias coroas de flores foram levadas ao velório. A repórter Clarissa Siqueira acompanha o velório e conversou com o forrozeiro Santana:

Mais Lidas