Estado de saúde de bebê que sofre de doença rara piora e não há expectativa para chegada de medicamento

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 29/10/2013 às 17:41
Leitura:
remedio Foto: Reprodução / TV Jornal A Defensoria Pública de Pernambuco entrou, na tarde desta terça-feira (29), com um pedido na justiça para bloquear a conta única do estado no valor de cerca de R$ 5 milhões. O dinheiro é quanto a família de Matheus Henrique, de um ano e três meses precisa para garantir, durante um ano, o medicamento importado Ceprontin. O remédio é essencial, já que o bebê possui uma rara doença, chamada de púrpura fulminante do recém nascido, por causa da deficiência de vitamina C no organismo. O menino não recebe o remédio, que é oferecido pelo estado, desde domingo (27) e, por causa disso, a saúde dele piorou. A defensora pública Nátali Brandi afirma que o fabricante do remédio assegura não ter recebido encomenda nenhuma de Pernambuco. A mãe de Matheus Henrique, Gerlaine Lacerda, contou que partes do corpo do filho estão necrosando. Ela compara a situação vivida à um filme de terror. A Secretaria Estadual de Saúde informou que o remédio teve que ser comprado fora do Brasil, porque trata-se de uma medicação que não tem o registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O fornecedor não informou ao estado qual o prazo para que esse medicamento seja entregue. A repórter Clarissa Siqueira traz os detalhes na matéria: LEIA MAIS Criança portadora de doença rara precisa de medicamento que custa R$3.900

Mais Lidas