Após denúncia do JC, poder público chega até familia da comunidade de Saramandaia

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 05/11/2013 às 15:04
Leitura:
Da Rádio Jornal Atualizado em 06/11 às 07h10 Paulinho imerso no canal do Arruda.  Foto: Diego Nigro/JC Imagem Paulinho imerso no canal do Arruda.
Foto: Diego Nigro/JC Imagem

Dias após a reportagem do Jornal do Commercio denunciar a situação de três crianças pobres da comunidade de Saramandaia, no bairro do Arruda, a prefeitura do Recife enviou uma equipe técnica para avaliar a rotina das famílias deles. Os meninos Geivison Felix, de 12 anos, Tauã Manoel da Silva Alves, de 10 anos e Paulo Henrique Félix, de 9 anos, se tornaram símbolo do descaso do poder público e da falência das políticas de combate ao trabalho infantil.

Foto: Diego Nigro/ JC Imagem Tauã Manoel da Silva Alves, Geivison Felix e Paulo Henrique Félix
Foto: Diego Nigro/ JC Imagem fotos karol 05.11.13 013 Crianças que moram na comunidade de Saramandaia brincam com brinquedo encontrado no canal.
Foto: Karoline Fernandes/ Rádio JC News

Para Geivison, Galego e Paulinho, como são chamados, a vida não mudou muito desde que foram personagens do JC. As imagens dos garotos, mergulhados em lixo no canal do Arruda, já circulam entre as principais agências internacionais de notícias e jornais, e está gerando uma rede de solidariedade mundial.

Foto: Karoline Fernandes/ Rádio JC News O tímido Galego não consegue lembrar qual a sua comida favorita.
Foto: Karoline Fernandes/ Rádio JC News Foto: Kléber Barros/ SJCC Meninos brincam no canal do Arruda.
Foto: Kléber Barros/ SJCC A mãe do Galego, que recebeu a equipe da prefeitura do Recife no barraco, também não é de muita conversa. Ela contou que a visita foi para falar sobre o benefício do Bolsa Família. Foto: Karoline Fernandes/ Rádio JC News Foto: Karoline Fernandes/ Rádio JC News A visita técnica da prefeitura vai avaliar benefícios como o Bolsa Família e Auxílio-Moradia. A situação das crianças do entorno do canal do Arruda, moradoras da comunidade de Saramandaia, provocaram uma ação civil pública por parte do Ministério Público do Trabalho. A Procuradoria Regional do Trabalho denúncia falhas da prefeitura do Recife na promoção de políticas de combate ao trabalho infantil. A repórter Karoline Fernandes foi ao local e relata a situação: Em nota, a prefeitura do Recife informou que vai adotar as seguintes medidas tomadas para as famílias citadas na reportagem do Jornal do Commercio: As crianças serão encaminhadas para a Escola Municipal Monteiro Lobato, em Peixinhos, para atividades em tempo integral; Maria Betânia vai receber R$ 200 de aluguel social e uma cesta básica por tempo indeterminado; O Conselho Tutelar e o Centro de Referência e Assistência Social vão acompanhar as famílias de forma continuada.

Mais Lidas