Fornecedores de serviços para obra de presídio de Itaquitinga protestam na PE-59


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 14/11/2013 às 10:00
Leitura:
Da Rádio Jornal Atualizado às 15h01 Obras estão atrasadas. (Foto: Guga Matos/JC Imagem) Obras estão atrasadas. (Foto: Guga Matos/JC Imagem)

Funcionários de 10 empresas que fornecem serviços para obra do Complexo Penitenciário de Itaquitinga, na Zona da Mata Norte do estado, bloquearam a PE-59, na manhã desta quinta-feira (14), e impediram o acesso de outros funcionários à construção, colocando fogo em pneus.

Os fornecedores de transporte alegam que estão há mais de 1 ano e meio sem receber pagamentos atrasados. Há três meses eles haviam dado uma trégua nos protestos, após promessa do governo para negociar as dívidas, mas continuaram sem receber.

Quando a contribuição do presídio foi retomada, na última segunda-feira (11), o grupo decidiu realizar os protestos. O líder do movimento, Antônio Carlos de Souza, afirma que novas ações vão ser feitas até que o caso seja solucionado. Por causa da ação, as obras do presídio foram paralisadas esta quinta-feira (14). O complexo penitenciário em Itaquitinga deveria ter sido entregue em 2011, mas as obras estão atrasadas. A Secretaria do Governo foi procurada pela nossa reportagem, mas não tivemos resposta. A repórter Clarissa Siqueira traz essas informações na matéria: O repórter Ramos Silvada, da Voz do Planalto, em Carpina, traz outros detalhes sobre o protesto ocorrido nesta manhã:

> LEIA TAMBÉM: Oposição critica atraso nas obras do presídio de Itaquitinga, que deveria ter sido entregue em 2011

Mais Lidas