Pacientes reclamam das condições de atendimento no Hospital Geral de Areias


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 03/12/2013 às 8:34
Leitura:
Da Rádio Jornal Atualizado às 15h17 Foto: Karoline Fernandes/ Rádio JC News Foto: Karoline Fernandes/ Rádio JC News

Moradores das comunidades do Caçote, Vila Tamandaré, Vila Cardeal e outras, localizadas em torno do Hospital Geral de Areias, na Zona Oeste do Recife, fizeram um protesto que durou cerca de duas horas, no início da manhã desta terça-feira (03). Eles fecharam os dois sentidos da Avenida Recife, colocando fogo em entulhos.

Foto: Karoline Fernandes/ Rádio JC News Foto: Karoline Fernandes/ Rádio JC News

Os pacientes reclamam que não há estrutura adequada para o atendimento no hospital. Segundo as denúncias, não há médicos especialistas, aparelhos como o medidor de pressão estão quebrados e já chegou a faltar até anestesia.

O corpo de bombeiros precisou comparecer ao local e o trânsito foi liberado por volta das 8h. A repórter Karoline Fernandes traz as informações sobre o caso, na reportagem a seguir:

Uma das principais queixas contra o hospital é a falta de profissionais na emergência. A nossa reportagem conversou também com Rubilar Correia, que integra o conselho gestor do hospital e representa algumas comunidades, e ele explicou que o protesto foi feito depois de várias cobranças da população pela reposição dos profissionais que estão se afastando do hospital e ainda não foram substituídos.

A respeito da falta de médicos na emergência do hospital, a direção informou, por meio de nota, que as escalas de plantão estão completas e que as faltas, na emergência e no ambulatório, são pontuais e supridas com plantões extras.

Sobre a falta de cirurgiões e anestesistas, a direção explica que na unidade só há cirurgias de baixo porte na área de bucomaxilofacial. Em casos de maior complexidade ou de outras especialidades, os pacientes são encaminhados aos serviços de referência.

A nota informa ainda que o Hospital Geral de Areias tem o perfil de atendimento para os casos de média complexidade em clínica médica e clínica pediátrica.

Todas essas informações na matéria de Karoline Fernandes:


Mais Lidas