Em entrevista, Aécio Neves, possível candidato à presidência, critica modelo do Mais Médicos

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 24/12/2013 às 14:55
Leitura:
aecio Foto: JC Imagem O senador mineiro e pré-candidato à presidência, Aécio Neves, concedeu entrevista ao programa Super Manhã da Rádio Jornal, nesta terça-feira (24), comandado pelo comunicador Geraldo Freire. Aécio criticou o formato do investimento em saúde do governo Dilma através do Programa Mais Médicos, exaltou a contribuição de Fernando Henrique Cardoso e destacou que se for eleito, a marca do seu governo será de mudanças. Em relação à saúde, Aécio alegou que É uma contradição entre ter mais médicos e menos saúde. Ninguém pode ser contra ter mais médicos no País, mas é uma contradição fechar 13 mil leitos hospitalares apenas nos últimos 3 anos. Para ele, hoje o atendimento na saúde pública no Brasil é um tragédia. Ele destaca que gostaria que os médicos cubanos não fossem discriminados em relação aos de outros países e que ele preferiria que o contrato desses profissionais fosse assinado diretamente com os médicos cubanos e não com o governo cubano. Para Aécio, o que falta na gestão de saúde pública do governo atual é solidariedade. Questionado sobre como seria o seu governo se fosse eleito, o senador diz que há hoje um sentimento muito claro de mudança no Brasil e até um desconhecimento de ouras alternativas. Aécio explicou que as mudanças em um governo comandado por ele começariam pela gestão pública. Nós não podemos crer que seja razoável para um país ter hoje uma estrutura de governo tão ampla como a que temos hoje. O meu governo seria um governo mais enxuto e mais eficiente. E concluiu: Seria um governo que teria também na questão ética uma diferença muito grande. O repórter Rafael Souza traz as informações na reportagem:

Mais Lidas