Direitos homoafetivos são conquistados, mas muitas vezes esbarram no preconceito da sociedade

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 29/01/2014 às 17:21
Leitura:
homooooo O debate na JC News com Rhaldney Santos, desta quarta-feira (29), discutiu os direitos homoafetivos. Participaram do programa o promotor Maxwell Vignolli, idealizador da Comissão de Direitos Homoafetivos, Wellington Medeiros, presidente do Movimento Gay Leões do Norte, e Thiago Carvalho, psicólogo do Centro Estadual de Combate a Homofobia da Secretaria de Direitos Humanos de Pernambuco. Em pauta, os avanços na legislação, taxas de violência, opiniões baseadas em preceitos religiosos e intolerância. De acordo com dados da Secretaria de Direitos Humanos de Pernambuco, em apenas um mês de 2014, dois homossexuais e um travesti foram assassinados no estado. Em 2013, os crimes ligados à homofobia foram 42, e em 2012, 34 pessoas foram assassinadas. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou, em maio de 2013, uma resolução que obriga os cartórios de todo o Brasil a celebrar o casamento civil e converter a união estável homoafetiva em casamento. Em maio de 2011, o Supremo Tribunal Federal liberou a união estável homoafetiva, mas, em alguns casos, os cartórios podiam rejeitar o pedido dos casais. E a nossa enquete: Você respeita a orientação sexual das pessoas? Denúncias podem ser feitas ao Ministério Público, pelo 3182.7411 e assistência psicológica e jurídica no Centro de Combate à Homofobia, no 3183.3182

Mais Lidas