Com medicamentos para tratamento da Aids, jovens não se protegem e taxa da doença na faixa etária cresce

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 05/02/2014 às 17:45
Leitura:
debate aids O debate na JC News com Everson Teixeira, desta quarta-feira (5), discutiu os avanços no diagnóstico e no tratamento da AIDS. Nos últimos quatro anos, Pernambuco registrou 1200 novos casos da doença. No Brasil, o número pode chegar a 45 mil. De acordo com os especialistas, a taxa está estabilizada, mas ainda é alta. Especialistas alertam para o aumento da doença nos adolescentes. Isso pode acontecer pela banalização do tratamento, mas até tomar remédios causam consequências. Participaram do programa o infectologista Carlos Padilha, a psicóloga Patrícia Amazonas e o coordenador estadual de DST/Aids em Pernambuco, Franços Figueiroa. E a nossa enquete: você teria relações sexuais com uma pessoa sabendo que ela é portadora do vírus HIV? De acordo com dados do site Jovem Soropositivo, transar com um indivíduo de sorologia positiva para o HIV -- desde que este esteja em tratamento, com carga viral indetectável há mais de 6 meses e sem nenhuma outra DST -- é mais seguro do que transar com um indivíduo de sorologia desconhecida. A razão disso é muito  simples e lógica. Um indivíduo de sorologia desconhecida é, potencialmente, um portador não-tratado de HIV ou outra DST. Sem tratamento, sua carga viral pode ser alta, especialmente em casos de infecção recente, o que é, sabidamente, o estado mais crítico e arriscado para a transmissão do vírus. Em outras palavras, a ciência e a medicina já oferecem condições seguras para que todos convivam bem o HIV. Temer o vírus é natural, mas não é preciso temer quem o porta. Enquanto soropositivos devem se tratar, todos devem se prevenir. Por sua vez, aqueles que não sabem qual é exatamente sua condição sorológica devem procurar sabê-la, em prol de sua própria saúde e do controle da epidemia no mundo.

Mais Lidas