Empresa abandona obra do presídio de Itaquitinga que já estava atrasada


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 05/02/2014 às 11:20
Leitura:
Da Rádio Jornal (Foto: Guga Matos/ Acervo JC Imagem) (Foto: Guga Matos/ Acervo JC Imagem) Em entrevista ao programa Super Manhã desta quarta-feira (5), o representante dos fornecedores da obra do Presídio de Itaquitinga, Antônio Carlos Condado, conversou com o comunicador Geraldo Freire sobre o atraso nas obras do presídio, que está sendo construído ha cerca de quatro anos, na Zona da Mata Norte de Pernambuco. Ele conta que a obra estava prevista para custar R$ 227 milhões, já foram gastos R$ 350 milhões e deve precisar de mais R$ 150 mi. Enquanto a obra está parada, materiais estão sendo desperdiçados no local. Condado conta que recebeu um comunicado da empresa que faz a obra através de Parceria Público Privada (PPP), informando que a partir de março o trabalho será abandonado, por conta de inviabilidade financeira. Ele explica que os funcionários da vigilância que estão cuidando do patrimônio no local seriam pagos somente até fevereiro e a obra seria abandonada a partir de março. Condado conta ainda que os pagamentos das empresas da obra estão atrasados há dois anos e que acredita que o governador Eduardo Campos está "por fora" do que está acontecendo em Itaquitinga. Ouça aqui a entrevista do representante, com o comunicador Geraldo Freire: Em resposta às críticas, o Procurador Geral do Estado Thiago Norões também concedeu entrevista ao comunicador Geraldo Freire e explicou que a empresa que venceu a licitação para construir o presídio realmente vem apresentando dificuldades financeiras há mais de um ano , já houve uma tentativa de negociação em 2013 e existe possibilidade de o Estado assumir a obra. Ouça a entrevista com o procurador, a seguir:

Mais Lidas