Prefeito de Olinda promete entrega da orla da cidade, do estádio e diz que "farinhaço" foi ato da oposição

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 19/02/2014 às 17:12
Leitura:
orla olinad lobo Reforma na orla de Olinda deveria ter terminado em 2011 Foto: Rodrigo Lôbo / JC Imagem Moradores, ou mesmo quem frequenta ocasionalmente a cidade de Olinda, se questionam quando as intermináveis obras da orla serão concluídas. O cenário para quem circula pelo calçadão da Avenida Ministro Marcos Freire tem dois extremos: de um lado, a bela praia da Marim dos Caetés, do outro, a visão do completo abandono: sujeira, buracos, ciclovia por fazer, barracas sem padronização. A repórter Karoline Fernandes conversou com moradores da cidade que enumeraram os principais problemas. Em 2011, a Prefeitura de Olinda anunciou investimentos da ordem de R$ 23 milhões para entregar à Marim dos Caetés, ainda em novembro daquele ano. Uma orla nova, com ciclovia e projeto de paisagismo. Depois, a previsão ficou para 2013, mas, até agora, a obra não foi finalizada. A gestão do prefeito Renildo Calheiros tem sido alvo de duras críticas da oposição e de alguns movimentos da cidade, como o Acorda Olinda. Nessa terça-feira (18), na abertura dos trabalhos na Câmara de Vereadores de Olinda, integrantes do movimento acompanharam a sessão e atiraram farinha no carro do prefeito. O farinhaço cobrou a instalação da CPI das obras inacabadas. A próxima reunião dos vereadores que vai discutir o tema será nesta quinta-feira (20). renildo farinhaço Manifestantes cercaram carro do prefeito Foto: Divulgação Em entrevista à JC News com Everson Teixeira, o prefeito Renildo Calheiros (PC do B) disse que o protesto foi feito por um pequeno grupo de oito pessoas ligadas à oposição. Ele afirmou não ter percebido o "farinhaço" e que foi muito aplaudido na câmara. De acordo com o prefeito, as obras na orla não foram paralisadas. Elas seguem em andamento e a demora está ligada ao processo judicial de desapropriação de imóveis, para que o serviço possa ser concluído. Sobre projetos paralisados, o restaurante popular em Peixinhos não vai mais existir e, no local, deve ser construída uma unidade de saúde. Já o estádio será retomado e o prefeito prevê inauguração até o fim do ano até com "papai noel descendo de helicóptero".

Mais Lidas