Torcedor morre atingido por vaso sanitário ao sair do estádio do Arruda


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 03/05/2014 às 0:58
Leitura:
Da Rádio Jornal Atualizada às 14h20 torcedor Foto: Guga Matos / JC Imagem Um homem de 26 anos morreu após ser atingido por um vaso sanitário jogado por torcedores no Estádio do Arruda, após a partida entre o Santa Cruz x Paraná na noite desta sexta-feira (2). A vítima identificada como Paulo Ricardo Gomes da Silva teve esmagamento craniano e fraturas nas pernas, ele era integrante da Torcida Jovem do Sport e morava no Bairro do Pina, Zona Sul do Recife. O corpo dele só dele ser liberado no final da tarde. O caso ocorreu entre os portões 6 e 7 localizados na Rua das Moças. Segundo informações de testemunhas, foram arremessados dois vasos sanitários da arquibancada, três pessoas também foram atingidas e levadas para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) no bairro dos Torrões. A tia de Paulo Ricardo, Sueni Valdovino conversou com o repórter Handerley Souza sobre a dor que a família está passando e sobre a necessidade de punir os culpados e prevenir outros acontecimentos. "É de uma crueldade tão grande, é uma atitude completamente inesperada. Como é que um torcedor arranca uma privada e mata uma pessoa porque ele está na torcida rival", diz Sueni. Segundo ela, o jovem era uma pessoa muita calma, muito tranquila, sempre foi a campo, inclusive fora do estado, mas nunca se envolveu em nenhum conflito."A gente quer que o Estado tome providências, que garanta nossa segurança, somos cidadãos", completa. Sueni Valdovino, tia do torcedor. Foto: Handerley Souza/Rádio Jornal Sueni Valdovino, tia do torcedor. Foto: Handerley Souza/Rádio Jornal Handerley Souza foi até a casa da mãe de Paulo Ricardo, Joelma Valdovino da Silva, para conversar com ela sobre a forma com que ela está encarando a morte desastrosa do filho. "Eu não desejo essa dor que eu estou passando para mãe nenhuma, nem para a mãe daquele que matou meu filho", diz. "Ele matou meu filho e me matou também", completa. O repórter Houldine Nascimento esteve no local na noite da sexta-feira (2) e conversou com testemunhas. José Adrien Ferreira de Lima, de 21 anos, foi atingido por estilhaços no tornozelo direito. Já Tarkini Kauã Gonçalves de Araújo, de 20 anos, sofreu lesão no pé esquerdo. O caso mais grave é de Vanderson Wilderlan Gomes Alves, de 22 anos, que teve ferimentos na cabeça, na mão e na perna. Um torcedor que não quis se identificar conta como foi. Conforme relatado pelos três feridos, todos torcem pelo Sport Club do Recife e assistiam ao jogo na torcida do Paraná Clube. No Arruda, o repórter Leonardo Boris conversou com o Capitão da Polícia Militar. Ouça a entrevista: Leonardo Boris também falou com uma testemunha que relatou o fato: Segundo informações de internautas um dos feridos foi identificado como "Didi TJs", torcedor da Jovem do Sport, que em sua página no Facebook, postou uma foto com a bandeira da torcida do time do Paraná, no jogo do Arruda, momentos antes do ocorrido. A delegada Gleide Ângelo, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil de Pernambuco, está responsável pelas investigações. A partida entre Santa Cruz e Paraná terminou em 1x1. >> Estádio é interditado preventivamente A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) interditou o estádio por tempo indeterminado até que o processo relativo ao acidente seja apreciado pelo STJD e que o clube tome atitudes concretas para inibir que outros acidentes aconteçam no futuro. Em entrevista ao jornalista Carlos Miguel, o vice-presidente do clube, , afirmou que eles irão recorrer da decisão. Acompanhe a entrevista abaixo >> Torcedor é detido após postagens nas redes sociais Um torcedor foi detido pela Polícia Civil de Pernambuco por postagem nas redes sociais após a morte do torcedor Paulo Ricardo Gomes da Silva, nessa sexta-feira, no Arruda, depois do jogo entre Santa Cruz e Paraná, pela Série B. A pessoa, que ainda não foi identificada, foi levada para a Delegacia de Homicídio de Proteção à Pessoa (DHPP). A detenção, contudo, não significa que o torcedor seja o culpado por atirar a privada em Paulo. Após a morte do torcedor, várias foram as manifestações nas páginas de torcidas organizadas vibrando com o  ocorrido.  Muitos disseram que organizada sem violência não é organizada. Em coletiva na Secretaria de Defesa Social, na manhã deste sábado, o secretário Alessandro Carvalho lamentou tal atitude, mas destacou que o fato não é considerado ilegal. As pessoas podem ser ouvidas pela delegada. O fato de comemorar a morte de uma pessoa é reprovável, mas não é ilegal. Ouça abaixo trecho da coletiva de imprensa concedida pela SDS: Leia também: Presidente do Santa Cruz diz que clube é vítima no caso do torcedor morto

Mais Lidas