Adolescente que acusou a mãe de cárcere privado estava de castigo, segundo a família


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 07/05/2014 às 15:30
Leitura:
Da Rádio Jornal Filho da contadora não quis se identificar mas negou que a mãe tenha mantido a irmã dele em cárcere privado Foto: TV Jornal Filho da contadora não quis se identificar mas negou que a mãe tenha mantido a irmã dele em cárcere privado
Foto: TV Jornal

O filho de uma mulher, que foi presa pois teria mantido a filha adotiva em cárcere privado, negou a acusação contra a mãe. A contadora de 54 anos teria prendido e torturado a filha de 15 anos em casa, em Olinda, porque a adolescente admitiu ser homossexual.

O homem preferiu não se identificar, mas gravou entrevista e disse que a menina foi colocada de castigo pois havia fugido de casa na sexta-feira (2). O rapaz não soube explicar o motivo dos hematomas no corpo da garota.

De acordo com o Conselho Tutelar de Olinda, a menina estava em cárcere privado desde o ano passado. Ela fugiu de casa pelo telhado e se abrigou com uma vizinha. O conselheiro tutelar Luis Carlos Cândido explicou que a avizinha que acolheu a adolescente levou a garota até o Conselho Tutelar.

Na casa da contadora, o Conselho Tutelar encontrou um bebê de dois meses sem nenhuma documentação. A adolescente acusa a mãe adotiva de ter comprado a criança por R$ 1800 em Jaboatão dos Guararapes.

O Conselho Tutelar afirma que a contadora também não tem nenhum documento de guarda da adolescente. A mulher foi presa em flagrante por cárcere privado, e vai ser investigada por irregularidades na adoção. O bebê e a garota foram encaminhados para um abrigo, porque nenhum parente biológico foi encontrado.

A menina vai fazer o exame de corpo de delito no Instituto de Medicina Legal, em Santo Amaro, na área central do Recife, na tarde desta quarta-feira (7).

Confira os detalhes na reportagem de Bianca Bion, na voz da repórter Ísis Lima:


Mais Lidas