Especialista afirma que fim de torcidas organizadas não soluciona violência nos estádios


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 07/05/2014 às 17:07
Leitura:
Da Rádio Jornal Foto: Guga Bastos/ JC Imagem Torcedor foi morto após ser atingido por um vaso sanitário, nas imediações do Estádio do Arruda. Crime chocou a população
Foto: Guga Bastos/ JC Imagem

A morte do torcedor Paulo Ricardo Gomes da Silva, de 26 anos, atingido por um vaso sanitário nas imediações do Estádio do Arruda provocou um questionamento: acabar com as torcidas organizadas seria a solução para a violência nos estádios?

Na opinião do doutor em psicologia social e pesquisador da Universidade Estadual de Campinas, em São Paulo, Felipe Tavares Lopes, os confrontos nos locais das partidas de futebol não podem ser um motivo para impedir a diversão dos torcedores.

LEIA TAMBÉM: Luto e desespero em enterro de torcedor assassinado após jogo no Estádio do Arruda

O suspeito de assassinar Paulo Ricardo é integrante da torcida organizada do Santa Cruz, a Inferno Coral, Everton Felipe Santiago Santana, de 23 anos. Ele foi indiciado por homicídio qualificado, mas o advogado de Everton, Adelson José da Silva vai pedir nesta quarta-feira (7) o abrandamento da pena.

Outros dois suspeitos de assassinar o torcedor permanecem foragidos. O caso está sendo investigado pela delegada Gleide Ângelo do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP).

Confira os detalhes na reportagem de Carlos Simões:


Mais Lidas