Trio que jogou vasos sanitários do estádio deve responder por homicídio doloso


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 09/05/2014 às 15:05
Leitura:
Da Rádio Jornal Atualizado às 17h57 Secretário de Defesa Social de Pernambuco, Alessandro Carvalho em coletiva de imprensa sobre caso do torcedor atingido por vazo Foto: Carlos Morais/ Rádio Jornal Secretário de Defesa Social de Pernambuco, Alessandro Carvalho em coletiva de imprensa sobre caso do torcedor atingido por vazo
Foto: Carlos Morais/ Rádio Jornal

Em coletiva de imprensa realizada na tarde desta sexta-feira (9), na sede da Secretaria de Defesa Social (SDS), no bairro de Santo Amaro, na área central do Recife, foi apresentado o balanço das apurações. Depois de alguns dias de investigação, três pessoas já foram presas: Everton Felipe Santigo, de 23 anos, Luiz Cabral de Araújo Neto, 30 anos, e Waldir Pessoa Firmo Júnior, de 34 anos.

A delegada do DHPP, Gleide Ângelo, responsável pelas investigações destacou que a polícia tem certeza da culpa dos trio na morte do torcedor Paulo Ricardo Gomes da Silva, de 26 anos, tanto que as prisões preventivas foram expedidas. Além da confissão dos três, a delegada salientou que a polícia tem provas do envolvimento deles.

Delegada Gleide Ângelo deu detalhes do caso nesta sexta (9) Foto: Hélia Scheppa/JC Imagem Delegada Gleide Ângelo deu detalhes do caso nesta sexta (9)
Foto: Hélia Scheppa/JC Imagem

A delegada detalhou que após o ocorrido Waldir Pessoa fugiu para Maceió, Luiz Cabral para o Rio Grande do Norte, onde morava, e Everton Felipe, como achou que não seria encontrado não tentou escapar. Everton foi preso através do Disque Denúncia, e através dele foi possível agilizar a identificação dos outros suspeitos.

LEIA TAMBÉM: Segundo suspeito de atirar vaso sanitário do Estádio do Arruda é preso em tentativa de fuga Polícia prende suspeito de ter atirado vaso sanitário que matou torcedor, no Arruda Luto e desespero em enterro de torcedor assassinado após jogo no Estádio do Arruda

A delegada ainda explicou que, no dia do crime, os três saíram da partida quando ela ainda estava nos acréscimos, mas depois voltaram para o estádio do Arruda pois tiveram de jogar pedras nos torcedores. Ao chegar no banheiro feminino, como não encontraram pedra, eles desparafusaram duas bacias e jogaram elas lá de cima. Eles só teriam descoberto que haviam atingido uma pessoa quando chegaram em casa e ouviram pelo rádio.

A repórter Clarissa Siqueira conversou com a delegada Gleide Ângelo e traz outras informações na reportagem. Ouça os detalhes:

Confira o vídeo feito por Carlos Morais, da Rádio, no momento em que a delegada oferece informações sobre o caso:

Cerca de 30 policiais acompanharam os delegados Alfredo Jorge e Gleyde Ângelo, na manhã desta sexta-feira (9) em uma operação na sede da torcida organizada Inferno Coral, no bairro do Arruda, na Zona Norte do Recife. A polícia cumpriu um mandado de busca e apreensão que durou cerca de duas horas. Na sede da Inferno Coral, a polícia levou seis pessoas ao DHPP Foto: Thiago Wagner/ Blog do Toredor Na sede da Inferno Coral, a polícia levou seis pessoas ao DHPP
Foto: Thiago Wagner/ Blog do Toredor

Na ação, foram apreendidos celulares, câmeras, uma caixa de medicamentos, uma faca e um cassetete. Dois homens e quatro mulheres foram  levados ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) para prestar esclarecimentos.

O repórter Rafael Carneiro acompanhou a operação:

A ação desta sexta-feira faz parte das investigações sobre o caso da morte do torcedor morto após ser atingido por um vazo sanitário. Depois de uma semana do ocorrido, três suspeitos já foram detidos.

Confira estes detalhes na reportagem de Handerley Souza:


Mais Lidas