Avenida Conde da Boa Vista é lugar de disputa por espaço entre pedestres e ambulantes

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 12/05/2014 às 8:00
Leitura:
d9f4c08b3807c6debb4ae5850f1fea63 Foto: Alexandre Gondim / JC Imagem Caminhar pela Avenida Conde da Boa Vista, no Centro do Recife, está cada vez mais difícil: calçadas ocupadas pelo comércio informal, paradas de ônibus com vendedores ambulantes, obras para a construção das plataformas do sistema de transporte BRT, e a população no meio, pulando os obstáculos para conseguir andar. Assim, a reportagem percorreu os quase 2 km da via, conversando com algumas das 400 mil pessoas que circulam diariamente no local, de acordo com a Prefeitura do Recife. O trecho entre as ruas José de Alencar e a Gervásio Pires é o mais movimentado. Os ambulantes chegam a ocupar até os dois lados das calçadas, deixando apenas um pequeno corredor no meio, destinado aos pedestres. R são eles que reclamam da falta de mobilidade: a professora Sarair Alves já torceu um pé em uma queda na Avenida Conde da Boa Vista. O comerciante Alexandre Pereira reclama do aperto em andar pela Avenida: Já os trabalhadores do comercio informal reclamam que cada vez mais que os ambulantes se instalam nas calçadas sem o cadastro da Prefeitura do Recife. O documento é a primeira medida para que os comerciantes sejam transferidos aos shoppings populares, projeto que prevê espaços de compras no Centro da cidade. De acordo com a Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano do Recife, alguns terrenos já foram escolhidos por uma comissão dos trabalhadores informais e a prefeitura para a construção dos shoppings populares.

Mais Lidas