Após protesto, bombeiros e PMs de Pernambuco decidem paralisar atividades

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 13/05/2014 às 15:53
Leitura:
Da Rádio JC News Atualizada às 21h35 PRO2 Depois de realizarem passeatas no centro do Recife nesta terça-feira (13), policiais militares e bombeiros de Pernambuco decidiram paralisar as atividades, em assembleia realizada na frente do Palácio do Campos das Princesas, sede do Governo do Estado, ao fim da caminhada. De acordo com soldado Albérisson Carlos, membro da comissão da Associação de Cabos e Soldados, os profissionais já devem cruzar os braços nesta quarta-feira (14). "Quem tiver de ir trabalhar a partir desse momento, já deve parar as atividades", disse. Porém, segundo advogados não é possível uma paralisação de 100% da categoria, uma vez que fornece serviços essenciais a população. "Essa greve deve ser decretada como ilegal, pois envolve um serviço imprescindível para a população. Uma greve primeiro se decreta e depois de 72 horas, ele deve ser colocada em prática. Mas no caso da polícia, não há amparo legal para a paralisação dos serviços", apontou o advogado Ney Araújo. Os PMs e bombeiros reivindicam melhores condições de trabalho, além da implantação de subsídios, plano de cargos e carreiras, aprovação da PEC-300 e aumento do valor do vale alimentação de R$ 154 para R$ 500. Cerca de 1500 policiais saíram por volta das 14h da praça do Derby e seguiram pela Avenida Conde da Boa Vista em direção ao Palácio do Campo das Princesas, onde ficaram até a decisão de cruzarem os braços. Uma reunião está prevista para as 10h desta quarta (14) para definir os rumos da greve. Ouça detalhes na reportagem de Isa Maria, abaixo:

Mais Lidas