Polícia tenta refazer os últimos passos do médico cirurgião encontrado morto


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 14/05/2014 às 11:01
Leitura:
Da Rádio Jornal médico interna Arthur Eugênio de Azevedo Pereira tinha 35 anos e era considerado um profissional renomado. Dedicado à família e ao trabalho, era conhecido pelo zelo no trato aos pacientes com câncer nos hospitais onde atuava. As circunstâncias do assassinato chocaram não apenas a família e os amigos mas toda a classe médica. O corpo de Arthur Eugênio de Azevedo Pereira foi encontrado as margens da BR-101 Sul, em Comporta, Jaboatão dos Guararapes. O médico cirurgião levou quatro tiros de pistola trezentos e oitenta na cabeça, nas costas e no braço direito. O carro foi encontrado horas depois carbonizado num terreno na Guabiraba. No cenário do assassinato, a polícia não encontrou os documentos nem o telefone da vítima. Os peritos verificaram que pelos detalhes a possibilidade de latrocínio, que é roubo seguido de morte, é remota. O clima entre os colegas de profissão era um misto de revolta e de surpresa com o desfecho trágico. Entidades médicas como o Conselho Regional, o Sindicato e a Associação da classe divulgaram nota de pesar. O velório de Arthur Eugênio de Azevedo Pereira foi realizado no Hospital Português, sem a presença da imprensa. O sepultamento será realizado na cidade de Campina Grande, na Paraíba, onde reside a família da vítima. Um dos amigos da vítima, o ortopedista Júlio Lima não consegue entender tamanha violência: A perícia no local onde o veículo do médico cirurgião foi encontrado foi realizada na manhã desta terça-feira (13). A chuva dificultou a identificação de pistas que podem elucidar o caso. O delegado Guilherme Caraciollo foi designado para investigar o caso. A polícia recolheu imagens de locais onde a vítima passou horas antes de ser executada a tiros em Jaboatão. A perita Vanja Coelho afirma que o incêndio no veículo foi provocado o que indica a premeditação: O disque Denúncia oferece R$ 10 mil para quem der informações sobre o assassinato. O telefone é o 3421 9595.

Mais Lidas