Governador garante que vai manter a ordem no Estado e chama de "bandidismo" saques em Abreu e Lima

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 15/05/2014 às 10:45
Leitura:
Da Rádio JC News Foto: JC Imagem
Foto: JC Imagem

Apesar da agenda apertada, o governador João Lyra Neto falou, na manhã desta quinta-feira (15), sobre a postura do Governo do Estado diante da situação da greve deflagrada pela Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros.

João Lyra repercutiu o pedido feito à presidente Dilma Rousseff de enviar as Forças Armadas para controlar a situação da segurança do Estado. O governador afirmou que a postura democrática vai ser mantida, e "custe o que custar" a segurança da população será mantida. Mas alertou que todos precisam cumprir a lei, em relação ao cumprimento da determinação do TJPE que decretou a ilegalidade da greve e o retorno imediato dos profissionais aos trabalhos.

O governador destacou que apesar de respeitar a reivindicações da categoria existem limites fiscais e legais que o impedem de atender a todas os pedidos.

Ao lembrar da situação vivenciada em Abreu e Lima, nesta quarta (14) e quinta-feira (15), João Lyra lembrou que a missão definida de manter a segurança da população. Ele lamentou a situação da cidade e chamou os saques de "bandidismo", "vandalismo" e "arruaça".

 Onda de saques cometidos no centro comercial de Abreu e Lima chocou população Foto: Karoline Fernandes/ JC News
Onda de saques cometidos no centro comercial de Abreu e Lima chocou a população
Foto: Karoline Fernandes/ JC News

Confira a entrevista completa com o governador João Lyra Neto cedida ao âncora Aldo Vilela:

Mais Lidas