Pela segunda vez, o CNJ considera o Aníbal Bruno como a pior unidade prisional do país

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 22/05/2014 às 15:19
Leitura:
Aline Souza - JC IMAGEM Foto: Aline Souza / JC Imagem Após inspeção realizada no presídio Aníbal Bruno, o Conselho Nacional de Justiça concluiu que a unidade prisional, onde hoje vivem quase sete mil presos, é a pior do país. Segundo o conselho, a situação está ainda pior que a verificada no mutirão carcerário de 2011, quando o Aníbal Bruno também foi considerado o pior do país. O presídio tem como principal Problema a superlotação. O prédio conta com apenas 1.466 vagas, mas tem 368% a mais de detentos. O percentual, segundo o conselho, é um dos maiores entre todas as unidades prisionais do país. Questionado sobre os dados da pesquisa, o secretário de Ressocialização de Estado, coronel Romero Ribeiro, negou que para aumentar o número de vagas, a administração da unidade computasse como vagas os buracos improvisados nas paredes. Segundo o coordenador do mutirão carcerário e responsável pela inspeção, juiz José Braga Neto, o Aníbal Bruno deveria ser interditado. Ele destacou ao portal UOL, os presos ficam recolhidos em verdadeiras favelas. Sobre a interdição, o secretário concorda que seria uma boa alternativa, mas não é apenas uma decisão da secretaria. Em entrevista ao comunicador Aldo Vilela, na manhã desta quinta (22), o promotor da vara de execuções penais do Estado, Marcellus Ugiette, também é a favor da desativação da unidade. Ainda de acordo com o coronel Romero Ribeiro, no dia 27 de janeiro, 320 vagas serão implantadas na unidade Juiz Antônio Luiz Lins de Barros unidade maior do complexo. Mais informações com a repórter Isabela Lemos: Ouça na íntegra a entrevista cedida pelo promotor da vara de execuções penais do Estado, Marcellus Ugiette à JC News com Aldo Vilela:

Mais Lidas