Cremepe pede agilidade nas investigações do caso do médico encontrado morto em Jaboatão


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 27/05/2014 às 16:40
Leitura:
3f297db28dc8cc31966196c044cf185e Foto: Sérgio Bernardo / JC Imagem Em reunião com representantes dos conselhos de medicina de outros estados, nesta terça feira (27), em Brasília, o Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) solicita apoio para o caso do médico Artur Eugênio, de 35 anos, morto depois de avaliar um paciente no Hospital Português no dia 12 de maio. O corpo dele foi encontrado com quatro marcas de bala às margens da BR-101, no bairro de Comporta, em Jaboatão dos Guararapes. A polícia encontrou o carro do médico completamente queimado no bairro da Guabiraba, na Zona Norte do Recife. A principal hipótese sobre o crime é de uma vingança por parte de familiares de um paciente operado por Artur na Paraíba. O procedimento teria sido malsucedido e o paciente morreu. O ortopedista Júlio Lima, amigo da vítima, discorda dessa hipótese. O delegado Guilherme Caraciolo, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), é responsável pelas investigações, mas não pode gravar entrevista porque o processo está sob sigilo.

Mais Lidas