Família diz que mulher morreu eletrocutada porque tentou religar luz cortada pela Celpe


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 02/06/2014 às 18:32
Leitura:
Da Rádio Jornal Atualizada às 08h13 mulher eletrocutada Foto: Lélia Perlim / Rádio Jornal O corpo de Edilane Lúcia da Silva, de 24 anos, continua no Instituto de Medicina Legal (IML), em Santo Amaro. O acidente ocorreu a poucos metros da residência humilde no Loteamento Constantino, na Muribara, São Lourenço da Mata. A dona de casa era mãe de três crianças de sete, quatro e dois anos. Ela tentava religar a energia, já que a luz tinha sido cortada por falta de pagamento, pois as faturas passaram de R$ 20 para R$ 90, valor que a família não tinha condições de pagar. De acordo com os parentes da vítima, a ligação clandestina era o recurso utilizado há cinco anos para manter funcionando a geladeira e a única TV. Em nota, a Celpe diz estar à disposição para esclarecimentos, mas lembra que apenas técnicos podem atuar na rede elétrica. Sem querer se identificar, a mãe da dona de casa Edilane Lúcia da Silva tentava justificar a morte de forma tão prematura:

Mais Lidas