Apenas seis homens atuam na fiscalização de praias, de Olinda ao Cabo, para evitar ataques de tubarões

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 30/07/2014 às 12:00
Leitura:
tubarões O debate na JC News com Antônio Martins Neto, desta quarta-feira (30), falou sobre ataques de tubarões. Os riscos em Pernambuco, e como a área acadêmica e os órgãos de fiscalização têm desenvolvido atividades para entender e monitorar os ataques no estado. Participaram do programa o capitão do Corpo de Bombeiros Helder Bezerra, do Grupamento Marítimo (GBMar), Jonas Rodrigues, engenheiro de pesca e pesquisador da Universidade Federal Rural de Pernambuco, e Charles Heitor, vítima de ataque de tubarão e fundador da Associação das Vítimas de Ataque de Tubarão. Existem algumas hipóteses para os ataques na área, entre elas, a de degradação ambiental, tendo a construção e a atuação do Porto de Suape como principal causa, além da quantidade de dejetos lançados ao mar todos os dias. No Grande Recife, é proibida a prática de surf na área que vai desde a Praia do Carmo, em Olinda, até a Praia do Paiva, no Cabo de Santo Agostinho. Equipes do Corpo de Bombeiros realizam rondas na área, com um efetivo de quatro homens. Em entrevista, o próprio capitão do GBMar admitiu que o contigente "não e o ideal". Ouça debate na íntegra e conheça também a história de Charles, vítima de ataque em 1º de maio de 1999, quando surfava com amigos em frente ao edifício Acaiaca, em Boa Viagem:

Mais Lidas