Justiça definirá destino da greve dos rodoviários no Grande Recife

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 30/07/2014 às 2:50
Leitura:
Da Rádio JC News
edmar melo
Desembargador Pedro Paulo Nóbrega mediou audiência de conciliação sem êxito. Foto: Edmar Melo / JC Imagem
Terminou sem acordo a reunião entre rodoviários grevistas e donos das empresas de ônibus para decidir os rumos da greve que começou nesta segunda-feira (28). A audiência de instrução e conciliação do dissídio coletivo foi realizada na sede do Tribunal Regional do Trabalho da Sexta Região (TRT-PE), no Cais do Apolo, nesta terça (29). Saiba mais com o repórter Houldine Nascimento: A reunião a portas fechadas teve início às 16h e se estendeu até o fim da noite, por volta das 22h50. O vice-presidente do TRT, desembargador Pedro Paulo Nóbrega, mediou as negociáções. Durante o encontro, o magistrado declarou que "iria até a exaustão" para chegar a um acordo. Além do juiz, participaram da reunião o presidente do Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros no Estado de Pernambuco (Urbana-PE), Fernando Bandeira; o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários Urbanos de Passageiros do Recife e Regiões Metropolitana, da Mata Sul e Norte de Pernambuco, Benilson Custódio; o presidente do Consórcio Grande Recife de Transporte, Nelson Barreto; o diretor do Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários de Passageiros no Estado de Pernambuco (Serpe-PE), Pedro Luis Pereira; e o presidente do TRT, desembargador Valdir Carvalho. Com o resultado, o julgamento do dissídio está marcado para as 17h desta quarta-feira (30), também na sede do Tribunal. Até lá, mais de dois milhões de passageiros continuam sem transporte coletivo.
Foto: Rádio Jornal
Passageiros tiveram de esperar muito tempo nas paradas por um ônibus. Foto: Rádio Jornal
Os  passageiros que precisam utilizar o transporte público no Recife e Região Metropolitana, enfrentaram mais um dia de transtorno com a greve dos rodoviários. De acordo com o Grande Recife Consórcio de Transporte, 71% dos veículos circularam. A determinação do Tribunal Regional do Trabalho é de que 100 % da frota estivesse nas ruas. As paradas de ônibus do Grande Recife continuaram superlotadas no segundo dia da greve dos rodoviários. Os trabalhadores de ônibus reivindicam 10% de aumento nos salários e tíquete alimentação de R$ 320,00 mensais. As empresas de ônibus ofereceram inicialmente 5% de reajuste nos salários e no tíquete alimentação, que atualmente é de R$ 171, o equivalente a R$ 5,60 por dia. Nesta manhã, apesar de haver mais coletivos nas ruas, o tempo de espera foi alto, além de os ônibus passarem lotados. Houve relatos de que os rodoviários estão realizando a "Operação tartaruga", em que os motoristas dirigem de forma mais lenta. Na Praça do Derby, por exemplo, quase o dobro de pessoas estava à espera dos veículos em relação à segunda-feira, primeiro dia de paralisação. Confira abaixo na reportagem de Clarissa Siqueira. O esquema de segurança foi reforçado por conta das depredações já realizadas. Uma viatura da Polícia Militar (PM) permaneceu na entrada de cada estação do BRT, tanto na Avenida Guararapes quanto no Derby. Além disso, o Metrorec informou que a linha centro funcionou com dois veículos a mais, com o intervalo entre os trens de apenas quatro minutos. A linha Sul e Cajueiro Seco ao Cabo também tiveram esquema reforçado. Apesar do sistema instaurado no metrô e nos ônibus para suportar a demanda da greve, usuários dos transportes públicos demonstravam insatisfação com superlotação e tempo de espera, que muitos diziam ser um problema cotidiano. A chuva que atingiu o Grande Recife nesta manha também interferiu na mobilidade em meio à paralisação, por gerar mais trânsito e dificultar a chegada dos veículos às paradas.

Mais Lidas