Justiça decreta prisão preventiva dos cinco suspeitos pela morte do médico Artur


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 31/07/2014 às 20:50
Leitura:
Da Rádio Jornal  / Foto: Diego Nigro/ JC Imagem Comerciante Jailson Duarte Cesar é um dos suspeitos. Foto: Diego Nigro/ JC Imagem A justiça decretou na noite desta quinta-feira (31) a prisão preventiva dos cinco suspeitos da morte do médico Artur Eugênio. A Polícia Civil, através do delegado Guilherme Caraciolo, que vem fazendo as investigações do caso, indiciou o médico Cláudio Amaro Gomes, de 57 anos, o filho dele, o bacharel em direito Cláudio Amaro Gomes Júnior, 32, além de Lyferson Barboza da Silva, 26, e Flávio Braz de Souza, 32. LEIA TAMBÉM: >>Quinto suspeito de participar do crime de Arthur Eugênio deve se apresentar à Justiça >>Polícia indicia cinco pessoas pela morte do médico Arthur Eugênio de Azevedo >>Família realiza missa de 30 dias da morte do médico Artur Eugênio >>Esposa do médico Arthur Azevedo fala das desavenças entre vítima e acusados >>Advogados e polícia ouvem suspeitos de assassinar médico Artur Eugênio O quinto suspeito, o comerciante Jailson Duarte Cesar, de 29 anos, que também teve a prisão decretada, convocou uma coletiva de imprensa nesta quinta para negar envolvimento no caso. A juíza Inês Maria de Albuquerque de Jaboatão dos Guararapes, acatou a solicitação do delegado. Os cinco suspeitos foram indiciados por homicídio, sequestro, roubo associação criminosa, estelionato e comunicação falsa de crime. ENTENDA O CASO O cirurgião torácico Artur Eugênio de Azevedo Pereira, de 35 anos,  foi encontrado no dia 12 de maio, às margens da BR-101, próximo à comunidade de Comporta, em Jaboatão dos Guararapes, com quatro disparos de arma de fogo. Dois tiros atingiram as costas, um na cabeça e outro no braço direito. As investigações apontaram disputa profissional como motivação do crime. O médico Cláudio Amaro colega profissional da vítima foi apontado como o mandante do crime. Paraibano de nascimento, Artur Eugênio morava na capital pernambucana há pelo menos três anos até o fatídico dia. Ele era conhecido pela grande dedicação à família e à profissão, cuidando de pacientes com câncer. O médico também era um amante da música.

Mais Lidas