Em Pernambuco, apenas 12% dos municípios conseguem dar destinação correta ao lixo

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 05/08/2014 às 9:00
Leitura:
77ccad1f21c6a55604bf76f8e42b3a85 No Recife, menino mergulha no lixo do Canal do Arruda Foto: Diego Nigro / JC Imagem Uma lei federal estabelecia que as prefeituras tinham até o sábado passado (2) para resolver o problema dos lixões. Em Pernambuco, apenas 23, dos 185 municípios, conseguem dar destinação correta aos chamados resíduos sólidos. Um encontro entre Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) e Ministério Público, nesta terça-feira (5), pode estabelecer novo prazo para o fim dos lixões.  O clima entre os prefeitos é de apreensão, já que as autoridades podem ser multadas, cassadas e até presas. O Ministério Público propõe um termo de compromisso ambiental com prazos de 30 a 180 dias. As prefeituras reivindicam um tempo extra maior para captação de recursos junto ao governo federal. De acordo com Berenice Andrade Lima, presidente da Associação Nacional dos secretários municipais de Meio Ambiente, muitos municípios não têm condições de instalar, nem de manter aterros sanitários. Além disso, não produzem quantidade de lixo suficiente. É preciso fazer um diagnóstico de que municípios podem resolver o problema do lixo sozinhos ou quais devem solucionar de forma agrupada: O Ministério Público de Pernambuco deve fiscalizar o cumprimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Luciano Duque, prefeito de Serra Talhada, fala das propostas existentes para o Sertão de Pernambuco:

Mais Lidas