Secretário de Finanças do Recife diz que a conta de energia aumentou em todo país, não só na cidade

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 19/08/2014 às 18:52
Leitura:

Com informações do JC

 Foto: Guga Matos/ JC Imagem
Foto: Guga Matos/ JC Imagem

A contribuição para o Custeio da Iluminação Pública (CIP), um tributo para bancar o gasto com a iluminação de praças, ruas e avenidas da cidade, chega todo mês na fatura da Celpe, que recolhe o dinheiro para as prefeituras.

Por lei, no Recife, o tributo varia com o reajuste da energia em abril, alta que chega às contas de fato a partir de maio. Este ano foi diferente. A fatura subiu em maio, como sempre, e em julho, um mês totalmente atípico, aumentou de novo. O motivo foi a CIP, que além de ter aumentado fora de época, dois meses após a data em que costuma subir, ainda trouxe dúvidas sobre o valor da alta.

De um lado, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável por calcular a inflação oficial do país, diz que a CIP subiu 35% no Recife. Do outro, a Celpe, que arrecada o valor para as prefeituras, informa que a alta foi de 24,19%. A diferença vale muito dinheiro.

Sobre o aumento, o âncora Everson Teixeira conversou com Roberto Pandolfi, secretário de Finanças do Recife. Ele justificou dizendo que a tarifa aumentou em todas as prefeituras do país. Segundo o secretário, quem define o valor do reajuste e o momento em que ele  é feito é a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Confira os detalhes na entrevista:

Mais Lidas