TST suspende aumento salarial de 10% para os rodoviários da Região Metropolitana e categoria protesta

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 21/08/2014 às 22:30
Leitura:
Com informações do JC Online Na manhã desta sexta-feira (22), motoristas, cobradores e fiscais do transporte público da Região Metropolitana do Recife fazem uma paralisação de advertência aos patrões. Eles estão segurando os veículos nas garagens e nos terminais e afirmam que só começarão a liberar a partir das 7h. A categoria afirma que houve um descumprimento de ação judicial, bem como uma reviravolta no valor dos reajustes alcançados após a paralisação ocorrida em julho. Há registros de paradas lotadas nas avenidas José Rufino, em Areias, PE-15 e Presidente Kennedy, em Olinda, Caxangá, Avenida Norte, além de terminais de integração fechados, como Xambá, Joana Bezerra, Pelópidas Silveira, Rio Doce entre outros. O metrô do Recife reforçou as viagens do horário de pico, que normalmente vão até as 8h30, mas hoje, de acordo com a demanda, pode se estender até as 10h. O reajuste salarial de 10% concedido a motoristas, cobradores e fiscais de ônibus da Região Metropolitana do Recife pelo Pleno do Tribunal Regional da 6ª Região (TRT-PE) em 30 de julho foi suspenso, provisoriamente na noite dessa quinta-feira (21). O ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Barros Levenhagen, acatou o pedido liminar do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado de Pernambuco (Urbana-PE) por entender que o reajuste concedido ficou fora dos limites do poder normativo da Justiça do Trabalho. Em nota, a Urbana-PE alegou que interpôs recurso no TST por motivo de absoluta incapacidade financeira e visando salvaguardar a solvência financeira do sistema. Alega que as despesas com pessoal representam quase metade dos custos das empresas de transporte de passageiro e que os reajustes nos salários e tíquetes dos rodoviários, conforme estabelecido pelo TRT, representariam um aumento de 8% nos custos totais da atividade.

Mais Lidas