Mãe que vendeu o próprio filho e depois se arrependeu pode parar na cadeia, diz GPCA


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 22/08/2014 às 11:13
Leitura:
Da Rádio Jornal. com informações da TV Jornal Imagem ilustrativa. Foto: reprodução/internet Imagem ilustrativa. Foto: reprodução/internet Uma moradora de Fernando de Noronha, que não teve o nome revelado, veio ao Recife dar à luz a criança, já que não há maternidades na Ilha. Chegando aqui, ela ficou hospedada em um hotel onde conheceu a recepcionista que queria comprar a criança por R$ 2.500. A genitora chegou a aceitar a proposta, mas desistiu do negócio. Quatro pessoas vão responder ao processo por negociar a venda do bebê no Recife. A recepcionista prometeu que daria R$ 2.500 a mulher em troca do bebê. O dinheiro seria usado para realizar a cirurgia de laqueadura da mãe. O parto e a cirurgia aconteceram no dia 13 deste mês, no Hospital Geral de Paulista, na Região Metropolitana do Recife. Após o parto, a mãe desistiu da venda e resolveu devolver o dinheiro a recepcionista. A Gerência de Polícia da Criança e do Adolescente (GPCA) chegou ao caso por meio de uma denúncia anônima. De acordo com o delegado Geraldo da Costa, o crime está previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente. "O artigo 238 do estatuto pune a simples promessa de entregar o filho mediante pagamento", explicou. A mãe do bebê, a cunhada dela, a recepcionista e o marido respondem ao processo em liberdade, pois não houve flagrante. O bebê e a mãe foram encaminhados para o Conselho Tutelar até a conclusão do inquérito. Ainda segundo o delegado, o bebê provavelmente ficará com a mãe, por ser um bebê de poucos dias. Caso a genitora seja condenada, o juiz da Vara de Adoção decidirá com quem o recém-nascido vai ficar. A pena por negociar a venda de uma criança pode ser de até 4 anos de prisão e multa. Mas, as pessoas que respondem ao processo podem receber uma pena alternativa por conta da situação. Segundo o delegado Geraldo da Costa, a administração de Fernando de Noronha providencia que as moradoras da ilha venham ao Recife ter os filhos.

Mais Lidas