Diante de crise em presídio no Paraná, especialista aponta os problemas do sistema carcerário brasileiro

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 25/08/2014 às 16:16
Leitura:

Da Rádio JC News

Dois presos já foram decapitados  Foto: Reprodução/ TSF Rádio Notícias Dois presos já foram decapitados
Foto: Reprodução/ TSF Rádio NotíciasE

As negociações entre autoridades de segurança pública do Paraná e os presos rebelados na penitenciária estadual de Cascavel (498 km de Curitiba) foram retomadas nesta segunda (25), mas a tensão no presídio permanece. A rebelião já passa das 24 horas e tem um saldo de pelo menos quatro mortos, sendo dois deles decapitados pelos amotinados, que se dizem da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). Em Pernambuco, a situação nestes dias é tranquila, mas o cenário não é tão diferente quando temos essa situação no Estado.

José Maria Nóbrega, doutor em ciência política com em ênfase em segurança pública lembra que todo ano há um crescimento de 15 % a 16% da população carcerária, enquanto as vagas crescem em torno de 3%. "Nós temos super lotação, corrupção e falta de gestão, que é são problemas apontados como variáveis fundamentais para que ocorra esses distúrbios com atos que a gente só vê sendo praticados por grupos terroristas", destacou José Maria.

Confira a entrevista completa concedida ao âncora Everson Teixeira:

Mais Lidas