Espera por ônibus gera protestos e procura por transportes alternativos

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 25/08/2014 às 15:07
Leitura:
Da Rádio JC News

O trabalhador teve um início de semana complicado, nesta segunda-feira (25). Com a paralisação de advertência dos rodoviários, os ônibus só começaram a passar no centro do Recife por volta das 9h30.

Sem transporte, a população resolveu mais uma vez protestar com pneus e entulhos em chamas. Com o Terminal Integrado de Xambá em Olinda, no Grande Recife, fechado, o trânsito na Avenida Presidente Kennedy ficou bloqueado por cerca de 40 minutos.

Revoltados,  passageiros queimaram objetos na Av. Presidente Kennedy Foto: Rafael Carneiro/ Rádio Jornal Revoltados, passageiros queimaram objetos na Av. Presidente Kennedy
Foto: Rafael Carneiro/ Rádio Jornal

O motorista particular, Alberto José, aguardou o fim da mobilização dos rodoviários, e reclamou da falta de ônibus. Os carros só iniciaram a operação por volta das 8h20 e finalmente a espera teve fim. Mesmo assim, embarcar ficou complicado, com a falta de orientadores de filas. Na integração da PE-15, também em Olinda, no meio da manhã, longas filas se formavam.

De acordo com Genildo Pereira, diretor da chapa eleita dos rodoviários, o problema gerado é de responsabilidade das empresas de ônibus.

A situação também foi registrada pelo Grande Recife Consórcio de Transporte. Em contato telefônico, o sindicato das empresas de ônibus, Urbana-PE, informou que não contabilizou a quantidade de coletivos nas ruas. E se defendeu, argumentando que os rodoviários se mantiveram a paralisação.

Confira os detalhes na reportagem de Rafael Carneiro:

A falta de coletivos nas ruas deixou trânsito congestionado desde cedo na capital pernambucana, já que muitas pessoas resolveram sair de carro.

Nas paradas lotadas, os passageiros reclamavam da demora e até esperaram deitados na grama da praça do Derby. No terminal integrado de Joana Bezerra, o metrô funcionou normalmente, porém kombis, motos e táxis foram uma alternativa para chegar ao destino final.

O preço, entretanto, era bem mais caro que os R$ 2,15, valor da passagem de ônibus ou até das outras tarifas cobradas normalmente. Para ir de táxi de Joana Bezerra para Boa Viagem, alguns motoristas cobravam até R$ 40 em preço tabelado. Os mototaxistas pediam R$ 10 para ir ao centro. A passageira Lucilene Maria da Silva denuncia a ação e reclama da quantidade de gente no local.

De acordo com a Companhia de Transito e Transporte Urbano do Recife (CTTU), o taxista que circular sem rodar o taxímetro, cobrando preços abusivos e tabelados, está realizando atividade irregular e pode ser multado. A mesma situação cabe para os mototaxistas, já que a atividade é proibida no Recife.

Denúncias de irregularidades envolvendo táxis e motos podem ser feitas pelo telefone 0800.081.1078.

Confira outros detalhes na reportagem de Clarissa Siqueira:

Mais Lidas