Após paralisação de quatro horas, aos poucos, ônibus voltam a circular no Grande Recife

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 29/08/2014 às 8:55
Leitura:
Atualizando 15h08 29b348bed4010ff28d9fe86ddedd4d21 Com Xambá fechado, população aguardava abertura do terminal Foto: Alexandre Gondim / JC Imagem

Como foi decidido em assembleia, nessa quinta-feira (28), os rodoviários do Grande Recife paralisaram atividades das 4h às 8h, nesta sexta (29). A população começa a se "acostumar" com a situação e o caos registrado hoje foi menor do que nos outros dias. Mesmo assim, paradas com muitas pessoas esperando e terminais de ônibus sem nenhum coletivo foram novamente registrados. Pouco depois das 8h, os ônibus começaram a circular lentamente. Às 14h, a categoria realiza passeata pelo Centro do Recife. No início da manhã, a repórter Clarissa Siqueira acompanhou a movimentação no Terminal Integrado Joana Bezerra.

O presidente da Urbana-PE, sindicato que representa os empresários, Fernando Bandeira, disse que o movimento paredista dos rodoviários é desnecessário, já que existe uma decisão liminar do TST que orienta o pagamento dos salários da categoria com 10% de reajuste e o tíquete alimentação a 6%, enquanto não há o julgamento do novo dissídio. "Não há necessidade de se estar fazendo movimento paredista sabendo que já tem uma decisão provisória", se posicionou o presidente. Segundo Bandeira, no dia 5 de setembro, os rodoviários vão receber o pagamento com a essa decisão liminar.

Fernando Bandeira ainda disse que Urbana vai entrar com uma ação jurídica para que a categoria realize outras paralisações, salientando o prejuízo sofrido pela população. Questionado sobre se irá acatar um reajuste de 75% no tíquete alimentação, caso seja julgado desta forma no TST, o presidente afirmou que irá. "Nós temos que cumprir. A decisão que sair no TST nós iremos cumprir", disse Bandeira.

Confira a entrevista completa com Fernando Bandeira concedida ao âncora Wagner Gomes:

b9c6d7331e1ebb7ffb3ddeedd918edc1 No Terminal do Xambá, nenhum coletivo estava no pátio Foto: Alexandre Gondim / JC Imagem

Para tentar atender a demanda aumentada de pessoas pelo metrô, o horário de pico foi estendido até às 9h30. Isso corresponde a um aumento de 20 viagens nas linhas Norte e Sul. Se aproveitando da vulnerabilidade da população sem ônibus, mototaxistas e taxistas fazem viagens clandestinas e com preço tabelado. De Joana Bezerra para Boa Viagem, por exemplo, os táxis custavam cerca de R$ 40, quando, normalmente, a corrida custa por volta de R$ 20. A repórter Clarissa Siqueira e Jonathan Monteiro, da TV Jornal, trazem informações:

1ae3b06b074c26ee1f295fd389581590 Com greve, mototaxistas realizaram transporte coletivo Foto: Alexandre Gondim / JC Imagem

Poucos minutos depois das 8h, os ônibus começaram a ser liberados. O repórter Rafael Carneiro registrou a chegada de coletivos no Terminal Integrado Pelópidas Silveira, em Paulista.

A partir das 8h20, internautas também começaram a registrar a presença de coletivos da empresa Borborema na Avenida Recife, e da CRT e da Metropolitana na BR-101, na altura do Colégio Militar.

borb crt metro Fotos: @thiaggoribeiro / Twitter

Essa é a terceira paralisação em oito dias, desde que o Tribunal Superior do Trabalho, em Brasília, suspendeu o aumento de 10%, além de outros benefícios, concedidos à categoria pelo Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região, em 30 de julho. Em novo julgamento, o TST resolveu conceder o aumento dos 10%, mas a categoria ainda reivindica aumento no auxílio-alimentação. Eles tinham conseguido um reajuste de 75% na taxa, mas o valor foi rebaixado para 6%. Atualmente, eles recebem R$ 171 para se alimentar.

Mais Lidas