Pesquisa aponta que 20% dos usuários de crack são mulheres, e que 8% têm vírus HIV

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 08/09/2014 às 12:43
Leitura:

Com informações da Agência Brasil

901554-usuarios_crack_avenida brasil_rj_0764 Foto: Tânia Rego / Agência Brasil

A Pesquisa Nacional sobre o Uso de Crack Quem São os Usuários de Crack e/ou Similares do Brasil? Quantos São nas Capitais Brasileiras?, realizada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), verificou que 20% dos que frequentam as chamadas cracolândias são mulheres. O trabalho ouviu 32.359 pessoas, sendo que 24.977 responderam ao questionário nos próprios domicílios e 7.381, nos próprios locais de uso da droga.

Além de responderem os questionários, os usuários fizeram testes de HIV e hepatite, que indicaram que, entre as mulheres, 8,17% eram portadoras do HIV, índice que, nos homens, chegava a 4,01%. Com hepatite C, as mulheres representaram 2,23% dos infectados e os homens, 2,75%.

Em entrevista à JC News com Antônio Martins Neto, a pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz Pernambuco, Naíde Teodósio, traz detalhes da pesquisa e alerta para o agravante das mulheres no vício: a situação das possíveis gestações sem acompanhamento médico e da infância das crianças na cracolândia.

A pesquisa foi feita entre o segundo semestre de 2011 e o primeiro semestre de 2013 nas 26 capitais de estado e no Distrito Federal, dividida em três abordagens. A primeira com avaliações em todas as capitais, a segunda nas nove regiões metropolitanas e a última nas cidades pequenas e de médio porte. Agora, o instituto está lançando o livro digital sobre a pesquisa, que pode ser obtido no site do Icict.

Mais Lidas