Especialistas enfatizam que mortes por suicídio podem ser evitadas

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 10/09/2014 às 8:27
Leitura:
Com informações da Agência Brasil suicídio Celebra-se nesta quarta-feira (10) o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, uma das formas de morte violenta mais comuns do mundo. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma pessoa se suicida a cada 40 segundos no mundo. Em números absolutos, o Brasil aparece como o 8° país em casos de suicídios. A OMS alerta que a prevenção do problema deve ser priorizada nas políticas públicas e encarada como uma questão de saúde pública. De acordo com o relatório divulgado na última quinta-feira (4), cerca de 800 mil pessoas cometeram suicídio em 2012. Essa é a segunda principal causa de morte entre pessoas de 15 a 29 anos. Em Pernambuco, o Centro de Valorização da Vida realiza um trabalho de acolhimento às potencias vítimas, afirmando que, muitas vezes, o quadro depressivo que leva ao suicídio pode ser revertido. Ouça a reportagem de Eden Pereira: A ingestão de agrotóxicos, enforcamento e uso de armas de fogo estão entre os meios mais utilizados em escala mundial para o suicídio. Conforme o documento, os transtornos mentais e o consumo nocivo de álcool também contribuem mundialmente para a prática. De acordo com o relatório, em todo o mundo os suicídios representam 50% das mortes violentas entre homens e 71% entre mulheres. Os dados da OMS apontam que no Brasil, em 2012, foram registrados 11.821 suicídios. Desses, 9.198 envolvendo homens e 2.623 mulheres. Em números absolutos, os países à frente do Brasil são a Índia (258 mil), China (120 mil), Estados Unidos (43 mil), Rússia (31 mil), Japão (29 mil), Coréia do Sul (17 mil) e Paquistão (13 mil). Em relação à proporção da população do país, a liderança do ranking é da Guiana. A OMS considera possível prevenir o suicídio. Para isso, sugere a incorporação nos serviços de saúde da prevenção como componente central. A agência da Organização das Nações Unidas para saúde informa ter conhecimento de apenas 28 países com estratégias nacionais de prevenção do problema.

Mais Lidas