Cooperação técnica entre Defensoria Pública e Secretaria Estadual de Saúde vai ajudar na doação de órgãos

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 15/09/2014 às 9:51
Leitura:
Atualizado às 15h58 doa Foto: Reprodução / Internet

A família é quem autoriza o procedimento de doação de órgãos, mesmo que, em vida, a pessoa tenha externado a vontade de doar. Existem casos em que a falta de documentação necessária impede a retirada de qualquer parte do corpo. A partir desta segunda-feira (15), a Defensoria Pública Estadual vai prestar assistência jurídica aos parentes dos doadores.

O termo será assinado às 12h, na sede da Secretaria Estadual de Saúde, no bairro do Bongi, na Zona Oeste do Recife. Fabrício Lima, subdefensor público geral diz que a iniciativa vai trazer benefícios para toda a coletividade:

Em entrevista à JC News com Antônio Martins Neto, o defensor público geral, Manoel Jerônimo, explica que a medida também pretende facilitar a doação de órgãos em casos em que o morto não possui família para autorizar o procedimento: A Secretaria de Saúde de Pernambuco, o Ministério Público e a Defensoria Pública do Estado se reuniram na tarde desta segunda-feira para assinatura de um termo de cooperação técnica que visa dar mais agilidade na hora de doar órgãos ou receber um transplante. Aqui, em Pernambuco, esses procedimentos só podem ser feitos mediante autorização judicial. A repórter Ísis Lima conversou com Noemi Gomes, coordenadora da Central de Transplantes de Pernambuco.

Mais Lidas