Especialistas dizem que venda de ovos fora da embalagem é irregular e deve ser combatida


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 30/10/2014 às 10:45
Leitura:
Da Rádio Jornal Sierra Exif JPEG Temperatura ideal para conservar os ovos é de 15ºC. Foto: reprodução/internet Muita gente ficou chocada com a ação da Vigilância Sanitária do Recife no Ceasa, que, literalmente, jogou no lixo mais de 600 mil ovos por estarem com embalagens irregulares. Nesta quinta-feira (30), para falar sobre o assunto polêmico, Geraldo Freire entrevistou a douroura em Nutrição, Edileide Freitas, e o ex-presidente da Associação Avícola de Pernambuco, Josimário Florêncio. De acordo com a nutricionista Edileide Freitas, a ação de fiscalização atende à legislação estabelecida pelo Ministério da Agricultoura, que diz que os ovos devem estar limpos e embalados quando chegarem no local de cormercialização. Ela explica ainda que, sem o cuidado, o contato entre os ovos pode transmitir bactérias como a salmonella. "Isso já devia ter sido feito há muito tempo", afirma. Ouça a entrevista completa de Edileide Freitas no player abaixo: De acordo com Edileide, a forma com que os ovos foram descartados é que está errada. Eles deveriam ter sido insinerados para evitar que as bactérias se proliferem no ambiente. Ao invés disso, os ovos foram colocados em caminhões de lixo comum. Foto: Clarissa Siqueira/Rádio Jornal Foto: Clarissa Siqueira/Rádio Jornal Para o produtor de ovos e galinhas e ex-presidente da Associação Avícola de Pernambuco (AVIPE), Josimário Florêncio, o cumprimento da legislação garante que o cliente tenha segurança no alimento que vai consumir. "Todo ovo a ser vendido tem que ter o rótulo com selo da fiscalização federal ou estadual, a data de fabricação e o prazo de validade", completa. Em Pernambuco, quinto maior comercializador de ovos do País, são produzidos cerca de 7 milhões de ovos por dia. A maioria dos produtores e comerciantes está regularizada. Ouça também a entrevista de Josimário Florêncio a Geraldo Freire: A repórter Clarissa Siqueira esteve na sede da Sociedade Nordestina de Criadores nesta quinta-feira para acompanhar um balanço feito pelo Procon, Adagro, Ministério da Agricultura e Vigilância Sanitária sobre a operação realizada no Ceasa nessa quarta-feira (29). Foram 16 estabelecimentos vistoriados, sendo seis na área de ovos. O supermercado Deskontão teve as suas câmeras frigoríficas interditadas De acordo com números finais, mais de 631 mil ovos foram recolhidos e descartados, assim como mais de 7 toneladas de alimentos com validade vencida, estragados ou com embalagem irregular. Pescados e produtos lácteos também foram destruídos. Sobre a venda de ovos, a Adagro orienta o consumidor a comprar apenas os produtos vendidos com embalagens, com selo e data de validade. Hoje, no Ceasa, apenas ovos embalados estão sendo vendidos. Leia também: Mais de 300 mil ovos são jogados no lixo durante fiscalização da Anvisa no Ceasa

Mais Lidas