Operação conjunta, no Ceasa, apreendeu mais de sete toneladas de alimentos impróprios para consumo

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 30/10/2014 às 15:03
Leitura:
Foto: Clarissa Siqueira/Rádio Jornal Foto: Clarissa Siqueira/Rádio Jornal

Mais de sete toneladas de alimentos impróprios para o consumo destruídos, mais de 631 mil quilos de ovos jogados no lixo, 16 estabelecimentos vistoriados e uma empresa interditada. Esse é o balanço da fiscalização realizada no Centro de Abastecimento de Pernambuco, Ceasa, pela Adragro, Vigilância Sanitária, Ministério da Agricultura e Delegacia do Consumidor.

Os dados dessa operação conjunta foram apresentados em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (30), na sede da Sociedade Nordestina de Criadores, no bairro do Cordeiro. O objetivo da ação foi coibir a venda de produtos de origem animal sem identificação e de acordo com vigilância sanitária, que mais chamou atenção do grupo durante a vistoria foi a grande quantidade de produtos vencidos. Adeilza Ferraz, gerente do órgão, aponta que na loja interditada mais de 770 quilos de produtos foram empreendidos, inclusive com a data de validade adulterada.

A apreensão e destruição ovos foi um dos pontos polêmicos da ação no Ceasa. Expostos em bandejas, os produtos eram comercializados de maneira irregular, pois precisam de selo com prazo de validade e embalagem lacrada. André Sérgio Dias, chefe da Unidade Estadual de Inspeção Animal da Adagro, ressalta que os estabelecimentos sabem que são obrigados por lei a vender os produtos embalados e por isso muitos já se adequaram nesta quinta-feira (30).

Outro destaque foi a apreensão de quase 4 toneladas de pescado, como postas de diversos peixes e camarões. Sete estabelecimentos foram autuados pelo Procon e estão sujeitos a multas. Desses, três, foram atuados pela vigilância sanitária e passam por um processo administrativo que pode resultar em multa de R$ 40 a R$ 400 mil.

Clarissa Siqueira traz as informações:

Mais Lidas