Falta dágua é mais grave no Agreste do que no Sertão, segundo diretor da Compesa


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 03/11/2014 às 10:11
Leitura:
Da Rádio Jornal Imagem: reprodução/internet Em Santa Cruz do Capibaribe, abastecimento é feito com carros pipa e com água levada de Caruaru. Imagem: reprodução/internet Com a questão da falta dágua sendo abordada em todo o país, um dos diretores da Companhia Pernambucana de Água e Saneamento (Compesa) foi entrevistado por Geraldo Freire durante a Super Manhã desta segunda-feira (03). Leonardo Selva, diretor do Agreste e Zona da Mata da Compesa, falou sobre as deficiências na distribuição de água pelo estado. De acordo com ele a situação no Agreste chega a ser pior do que no Sertão, já que entre os sertanejos existem várias adutoras que trazem água do Rio São Francisco. Ele, contudo, garantiu a melhora no abastecimento de cidades como Pesqueira e Arcoverde. De acordo com Selva, há uma lentidão na construção de algumas obras devido a uma maior lentidão dos repasses por parte do Governo Federal: O Governo Federal sabe que só podemos concluir essas obras com, no mínimo, 40 milhões de reais por mês, afirmou. Acompanhe a entrevista na íntegra no link abaixo:

Mais Lidas