Pesquisa mostra que 81% dos recrutadores contratam pessoas deficientes para cumprirem a lei e não pelas competências

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 11/11/2014 às 10:33
Leitura:
Foto: Reprodução/ Internet Foto: Reprodução/ Internet

Uma pesquisa feita pela Associação Brasileira de Recursos Humanos,  Isocial e Catho aponta que 81% dos recrutadores contratam pessoas com deficiência para cumprir a lei, não pelas competências. A pesquisa mostrou que apenas 4% declararam fazê-lo por "acreditar no potencial" e 12% o fazem "independente de cota".

A lei 8213/91 determina que empresas de 100 funcionários ou mais incluam de 2% a 5% dos seus cargos com beneficiários reabilitados ou pessoas portadoras de deficiências habilitadas na seguinte proporção: até 200 empregados, 2%; de 201 a 500 empregados, 3%; de 501 a 1000 empregados, 4%; e de 1001 em diante, 5%.

Sobre esse assunto, Graça Araujo conversou na Rádio JC News com a diretora de diversidade da ABRH Nacional, Jorgete Lemos, que destacou as consequências criadas a partir dos resultados desta pesquisa. "As empresas estão correndo para capacitarem os seus funcionários aqueles que recrutam e selecionam para que eles possam realmente fazer uma capacitação do talento baseando em competência", apontou. Ela lembrou que quando a lei foi criada as empresas não estavam preparadas para lidar com este profissional, começando pela falta de acessibilidade física.

Confira a entrevista completa:

Mais Lidas