Às vésperas do Dia Nacional de Combate ao Câncer, especialistas discutem tratamento e o período posterior

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 26/11/2014 às 17:53
Leitura:

Nesta quinta-feira (27), é lembrado o Dia Nacional de Combate ao Câncer. Para falar sobre o pós tratamento, Everson Teixeira conversou com especialistas na Rádio JC News. A entrevista de estúdio dessa quarta-feira (26) recebeu Ricardo Costa, oncologista, Rafaela Barbosa, fisioterapeuta da Recimed, e Salomé Andrade, psicóloga.

O oncologista destacou que o câncer de mama é o mais comum nas mulheres, mas, de uma forma geral, o câncer de próstata é o mais incidente na população. "Nós temos mais 60 mil casos no ano, só aqui no Brasil. Sem dúvida alguma é uma questão que precisa ser falada", alertou o médico. Ele ainda lembrou que é importante estimular as pessoas a estabelecerem estratégias para que detectar a doença mais previamente, já que o câncer é uma doença que tem cura e quanto mais cedo for diagnosticada mais fácil é o tratamento.

A psicóloga acredita que o preconceito com a doença é uma herança do passado. "Hoje em dia, por mais que a informação, a tecnologia, o diagnóstico seja algo mais acessível as pessoas tem medo, porque as pessoas tem medo do sofrimento e câncer e sofrimento são praticamente sinônimos", avaliou a especialista.

A fisioterapeuta comentou como a fisioterapia atua no tratamento da doença. "Inicialmente a gente tem que focar naquele paciente que esteja com câncer no estágio mais avançado", explicou.

Confira a entrevista completa:

Mais Lidas