Aspirina pode previnir AVC e infarto, mas é preciso cuidado

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 01/12/2014 às 11:50
Leitura:


Foto: reprodução/internet

Nesta segunda-feira (1º), o comunicador da Super Manhã, Geraldo Freire, conversou com o endocrinologista Francisco Bandeira sobre os mitos e as verdades do uso de aspirina. Para o médico, evidências científicas apontam que existem outras formas de previnir infarto e acidentes vasculares cerebrais (AVC) sem o uso de aspirina. A aspirina é indicada para pacientes de alto risco, porque neles a droga previne o risco de sangramento, caso contrário, quem nunca teve problemas pode adquirir com o uso contínuo da aspirina.

De acordo com Francisco Bandeira, é considerado paciente de alto risco aquele que fuma, tem os níveis de colesterol alterados, tem diabetes e mais de 50 anos, esse são os fatores analisados pelos médicos. Estudos promissores apontam novos medicamentos que previnem sangramentos e consequentemente o AVC ou infarto.

Um dos principais problemas ocasionado pelo uso indiscriminado da aspirina é o sangramento digestivo, que pode levar à morte. A orientação, portanto, é tomar o remédio apenas sobre prescrição médica. Ouça a entrevista completa no player abaixo:

Mais Lidas