ADEUS

Pernambuco se despede do jornalista Pedro Osterno

O recifense sofria de Alzheimer há 9 anos. A morte aconteceu após complicações de uma infecção respiratória

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 27/12/2014 às 11:05
Leitura:
Foto: Arquivo/JC Imagem


Será enterrado no Cemitério de Santo Amaro, às 14h deste sábado (27), o corpo do jornalista Pedro Osterno, de 69 anos, que faleceu na última sexta-feira (26). Pedro sofria de Alzheimer, uma doença degenerativa, há 9 anos e faleceu em decorrência de complicações da doença. Ele deixa a esposa e três filhos.

De acordo com a família, a doença estava em estado avançado, mas a morte foi surpresa para todos. Ele tinha dificuldades para se locomover e para se alimentar sozinho, mas não apresentava sinais de maiores complicações. A filha mais velha de Pedro, Juliana Melo, diz que o momento e doloroso, mas foi de descanso para o pai:

Na manhã da sexta-feira, ele passou mal e foi levado para a unidade de pronto atendimento (UPA) de Olinda. Na unidade, a família descobriu que Pedro sofria de uma infecção respiratória, que evoluiu. O jornalista não resistiu e faleceu por volta das 14h.

Pedro Osterno morava com a família no bairro de Cajueiro, Zona Norte do Recife. Ele deixa a esposa Carmem Júlia e três filhos: Juliana, de 37 anos; Iuri, de 33; e Mariana, de 27 anos. O jornalista descobriu que tinha Alzheimer aos 60 anos, após uma carreira de sucesso na televisão pernambucana.

CARREIRA

Pedro Osterno começou a carreira na Rede Globo Nordeste, ainda como estagiário. Após se formar, foi contratado pela empresa e trabalhou lá por 10 anos. De repórter, foi promovido a editor, editor-chefe e chefe de jornalismo.

Depois da Globo, ele ainda foi chefe de jornalismo da TV Tribuna. Osterno também passou pelas TVs Manchete e Pernambuco e pelas equipes de comunicação das prefeituras do Recife e de Jaboatão dos Guararapes.

Mais Lidas