ECONOMIA

Comércio aposta as últimas fichas no "branco" para não ficar no vermelho

No Agreste e no Sertão, vendas de fin de ano superaram expectativas

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 29/12/2014 às 12:44
Leitura:
Foto: Igor Bione/JC Imagem


A lógica é simples: nada melhor do que começar o ano novo de visual repaginado num cenário de paz. Nas lojas de vestuário dos shoppings, por exemplo, as opções são variadas e para todo tipo de orçamento.

Ao mesmo tempo, alguns estabelecimentos comerciais já deflagraram a temporada de liquidação. Neste domingo (28), no Centro do Recife, os consumidores buscavam os últimos itens para a festa do réveillon, entre a quarta e a quinta-feira (31/12 e 1º/01).

Em poucas palavras, o segurança Rômulo Pereira sintetizou o clima pós-papai Noel nas ruas comerciais:

Vale lembrar que o comércio no Centro do Recife vai estar aberto das nove da manhã as cinco da tarde nestas segunda e terça-feira (29 e 30/12).

O gerente de uma loja de calçados há 25 anos, Paulo Ricardo, estava animado para as vendas:

A Câmara dos Dirigentes Lojistas do Recife deve anunciar nos próximos dias o balanço final das vendas natalinas. Em Petrolina, o presidente da CDL local, Joaquim de Castro, afirma que no Sertão o cenário foi favorável:

>> Expectativa de movimento acima da média no Agreste

O Centro Atacadista de Confecções vai funcionar nestas segunda e terça-feira (29 e 30/12), das 7h às 18h, sem intervalo. São mais de 10 mil pontos de vendas em seis módulos numa área coberta de 120 mil metros quadrados em 32 hectares.

O mix de produtos é diversificado de itens populares a refinados no atacado e também no varejo. O Moda Center Santa Cruz tem ainda estacionamento gratuito para seis mil veículos, seis praças de alimentação, pousadas com mais de 2 mil leitos, banheiros, lotérica, circuito interno de segurança e posto ambulatorial.

No último sábado (27), o movimento de consumidores superou as expectativas para o período pós vendas natalinas. O sindico do empreendimento, Allan Carneiro, afirma que a crise não passa pelo Polo do Agreste:

Mais Lidas