INVESTIGAÇÕES

Acidente que matou ex-governador Eduardo Campos e equipe foi falha humana, diz jornal

Piloto teria perdido noções espaciais e descumprido orientações do fabricante do Cessna 560 XL

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 16/01/2015 às 8:57
Foto: reprodução/internet


Cinco meses após o acidente que matou o ex-governador Eduardo Campos e mais seis membros da sua equipe,o jornal O Estado de São Paulo teve acesso à parte das investigações da Aeronáutica, que começam a ser divulgadas no início de fevereiro. De acordo com a reportagem publicada nesta sexta-feira (16), o acidente foi causado por uma sequência de falhas do piloto Marcos Martins, que vão desde a falta de treinamento para aquela aeronave até o uso de "atalho" para acelerar o procedimento de descida.

De acordo com a publicação, o piloto perdeu a orientação espacial e não conseguiu realizar o pouso, precisando arremeter bruscamente. Marcos Martins teria operado em desacordo com as recomendações do fabricante do avião. A "desorientação espacial" acontece quando o piloto perde a referência do avião em relação ao solo, não sabe se está voando para cima, para baixo, em posição normal, de lado ou de ponta cabeça.

De acordo com o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) não foi encontrado nenhum indício de falha técnica ou de operação do sistema aeronáutico. As duas turbinas foram detalhadamente analisadas e estavam em perfeita condição de uso, mas a caixa preta de voz não foi útil para as conclusões. Ela simplesmente não estava ligada, por isso, não gravou as conversas durante o voo.

O Cenipa levantou ainda todo o perfil psicológico, pessoal e profissional dos dois pilotos e listou uma sequência de falhas de Marcos Martins, antes e durante o voo. Conforme apurado pelos investigadores, Marcos não estava treinado para o Cessna 560 XL e nunca tinha passado pelo simulador. Ainda de acordo com o Cenipa, a relação entre os dois pilotos não era boa.