RESSOCIALIZAÇÃO

Visitas acontecem normalmente no Complexo Prisional do Curado após rebeliões

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 25/01/2015 às 16:40
Detentos do Curado fizeram rebelião pedindo mais agilidade nos julgamentos
Foto: Bobby Fabisack / JC Imagem


Depois das rebeliões ocorridas esta semana no Complexo Prisional do Curado, no bairro do Sancho, na Zona Oeste do Recife, as visitas foram retomadas, neste domingo (25) e familiares de detentos puderam voltar a rever os parentes.

As visitas acontecem nas três unidades do complexo, mas o maior movimento foi registrado no presídio Juiz Antônio Luiz de Lins Barros, ao qual compareceram, além de familiares, o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, e o secretário de Ressocialização, Èden Vespaziano.

Entre as reivindicações dos detentos durante as rebeliões, estavam a melhoria do acesso das famílias à unidade prisional e a agilidade dos processos. O secretário de Justiça e Direitos Humanos destacou a importância da implementação dessas medidas.

Já o secretário de Ressocialização falou sobre os investimentos na área prisional, com o intuito de combater a superlotação nos presídios. Apenas no Complexo do Curado, o quantitativo de presos é seis vezes maior do que o número de vagas. Com capacidade para abrigar pouco mais de mil detentos, o espaço conta com cerca de seis mil homens.

Cerca de 10 mil familiares compareceram à unidade para realizar a visita. A rebelião no Complexo do Curado, que deixou dois mortos, durou três dias e terminou na última quarta-feira (21), depois que um grupo de detentos aceitou negociar com o juiz da 1ª Vara de Execuções Penais do Recife, Luiz Rocha.