POLÍTICA

Governador Paulo Câmara descarta uso da Força Nacional nos presídios

Enquanto isso, presidente da Assembleia Legislativa, Guilherme Uchôa, não teme ação da OAB

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 03/02/2015 às 9:19
Foto: Roberto Soares/Alepe


Uma reunião solene marcou o início do ano parlamentar na Assembleia Legislativa de Pernambuco, localizada na Boa Vista, área central do Recife, nessa segunda-feira (02). Após o discurso de abertura, o presidente da Casa, Guilherme Uchôa (PDT), ironizou a decisão da Ordem Dos Advogados do Brasil em Pernambuco de entrar com uma ação para anular a reeleição dele para a presidência da Casa pela quinta vez. “Disseram que vão entrar com representação na quarta-feira. Não sei se é nessa ou na outra. Se for na próxima é ruim por que já está próximo do carnaval e não dá noticiário”, disse.

Já o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, aproveitou o discurso para negar a necessidade de chamar a Força Nacional para ajudar a resolver os constantes conflitos ocorridos no Complexo Prisional Do Curado. O grupo contrário ao governo na Alepe deseja promover uma audiência pública sobre o Sistema Prisional no estado na quarta-feira da próxima semana, dia 11.

O líder da oposição na Alepe, Sílvio Costa Filho (PTB), faz críticas ao decreto publicado pelo executivo para resolver a situação e afirma que o Sistema Carcerário em Pernambuco está falido.

Nesta terça-feira (03), será realizada a primeira reunião plenária ordinária da Alepe, no Palácio Joaquim Nabuco, na Rua Da Aurora. O evento é aberto ao público.

Enquanto isso, o diário oficial do estado traz na edição desta terça-feira (03) detalhes do decreto do plano de contingenciamento de gastos. A iniciativa tem como objetivo economizar somente este ano R$ 320 milhões.

Entre as medidas definidas estão corte nas concessões de diárias, manutenção da frota e publicidade. Redução dos custos com telefonia fixa e móvel, além de corte na aquisição de passagens aéreas e diárias internacionais.