SAÚDE

No Hospital Universitário Oswaldo Cruz, transferência de médico causa revolta entre os pacientes

Os rumores são que Bernardo Times Carvalho foi transferido por questões políticas. Pacientes da unidade estão sem saber o que fazer

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 04/02/2015 às 11:19
Foto: TV Jornal


Muitos pacientes atendidos na unidade de transplante de fígado do Hospital Universitário Oswaldo Cruz estão sem saber o que fazer depois que o hepatologista, Bernardo Times Carvalho, foi transferido da unidade. Ainda não foi escolhido um substituto para o médico e não há previsão.

Nesta quarta-feira (4) seria dia de consulta. A reportagem da Rádio Jornal foi ao local para conversar com pacientes e familiares.A maioria foi pega de surpresa pela notícia e teve que voltar para casa. Alguns pacientes vieream de outros estados e não sabem o que fazer.

É o caso da menina Sabrina, de apenas 12 anos, que veio da cidade de Araguaína, no Tocantins. Ela chegou há 15 dias com a mãe, Sirena Barbosa da Silva, passou por uma consulta com o Bernardo Times, mas ainda não fez nenhum exame para tentar descobrir o que a garota tem. "Ela precisa muito desse médico logo por que ele precisa estudar ela. Eles vão estudar ela ainda por que não sabem o que ela tem. Ela fica sangrando direto", disse. "Estou desesperada sem saber o que fazer", desabafa.

Nessa terça-feira (3), um grupo de pacientes realizou um protesto pedindo a volta do médico. Eles afirmam que a transferência de Bernanrdo Times teve motivos políticos.

De acordo com o médico hepatologista e chefe da Unidade de Transplante de Fígado, Cláudio Lacerda, a portaria que transfere Bernando Times foi aprovada em 30 de dezembro de 2014, último dia de gestão . Segundo Lacerda, a atende a um interesse político e de funcionários de um outro setor do Hospital. Ele diz que a medida é arbitrária e teme que o programa seja descredenciado:

Já a vice-reitora da Universidade de Pernambuco, Socorro Cavalcanti, explica que o médico Bernrdo Times é concursado como gastrohepatologista no Hospital Oswaldo Cruz, mas não estava exercendo a função. Segundo ela, a portaria designa que ele volte a exercer esse serviço, no qual ele pode atender os pacientes da unidades de transplante de fígado sem problemas.