CHACINA

Medo é empecilho no trabalho de substituição dos profissionais do Conselho Tutelar de Poção

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 09/02/2015 às 14:00
Vítimas foram enterradas no domingo com forte comoção na cidade
Foto: Alexandre Gondim / JC Imagem


O luto em Poção, no Agreste de Pernambuco, continua grande devido ao assassinato de três conselheiros tutelares e de uma professora, na noite da última sexta-feira (6). Uma das grandes questões, agora, é a substituição dos profissionais sociais em um momento em que o medo toma conta da cidade. O presidente da Associação Metropolitana de Conselhos Tutelares, Gerailson Ribeiro, explica como vai ser feito o trabalho de substituição dos profissionais.

De acordo com Gerailson, é preciso continuar o trabalho em Poção como forma de homenagem aos profissionais mortos, mas é necessário calma porque a cidade ainda está muito abalada. Para combater o medo vivo na nova rotina dos conselheiros tutelares, o presidente da Associação pediu ao secretário de Defesa Social, Alessandro Carvalho, que estudasse uma maneira de oferecer maior segurança aos profissionais.

Uma reunião está marcada para a próxima quinta-feira (12) a fim de discutir a situação dos conselheiros. Também na quinta, quando completa o sétimo dia da chacina, todos os conselhos tutelares do Brasil vão amanhecer fechados em forma de luto. Será um dia de mobilização, para pedir mais segurança e o fim das determinações erradas sobre o conselho tutelar.

A polícia ainda não tem pistas de quem possa estar por trás da emboscada. As vítimas foram enterradas nesse domingo (8), sob forte comoção dos moradores da cidade e de municípios vizinhos.