POLÍTICA

"O processo de impeachment é simples, mas as consequências podem ser dramáticas", diz Pedro Simon na Rádio Jornal

Ex-senador lembrou momentos dos governos de Getúlio Vargas, Collor, FHC e Dilma.

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 10/02/2015 às 12:23
Pedro Simon. Foto: Rafael Souza/Rádio Jornal


Nesta terça-feira (10), a Rádio Jornal recebeu o ex-senador da República, Pedro Simon (PMDB-RS). Conversam com ele, o comunicador Geraldo Freire e o diretor de Redação do Jornal do Commercio, Ivanildo Sampaio.

Pedro Simon lembrou de momentos importantes da histórica política brasileira desde o último governo Getúlio Vargas (1951-1954). O ex-senador lembrou da época do processo de impeachmant do ex-presidente Fernando Collor de Melo. "Collor era muito orgulhoso. Nunca pensou que o impedimento acontecria", afirmou.

Simon elogiou o governod e Itamar Franco, que segundo ele, foi "um dos melhores governos dos últimos 50 anos". "Itamar era um homem humilde, de classe média baixa", disse.

O pemedebista criticou a gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, da qual fez oposição: "Fernando Henrique comprou o apoio do Congresso Nacional para a compra de votos para a reeleição".

Sobre FHC, ele ainda lembrou do processo de privatizações dos anos 90: "A privataria tucana aconteceu. A Vale do Rio Doce foi privatizada na mutreta", declarou.

Ele criticou a situação econômica atual do país, que segundo ele, "não deveria ter chegado a tudo isso, devido as alianças com os BRICS".

Para Pedro Simon, o processo de impeachment não é tão complicado, bastando um terço de assinaturas dos parlamentares para ser levado à votação. "Mas cabe ao presidente da Câmara aceitar, o que é difícil o que aconteça", declarou.