JUSTIÇA

Quase 26 anos depois, assassino de Maristela Just tem sentença de 79 anos de prisão garantida pelo Supremo

Decisão dessa terça-feira, julgamento volta a ter validade e José Ramos Lopes Neto vai cumprir pena na Barreto Campelo, em Itamaracá

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 11/02/2015 às 7:21
O caso tomou notoriedade depois que os filhos passaram a lutar publicamente pela prisão do pai. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem


José Ramos Lopes Neto matou a mulher e tentou matar os dois filhos e um cunhado em Jaboatão em 1989. O julgamento ocorreu em 2010, sem a presença do réu, após sucessivas manobras jurídicas.

Os advogados do condenado recorreram da sentença com a alegação de que houve cerceamento da defesa. O relator do caso no Supremo Tribunal Federal, o ministro Dias Toffoli, votou pela anulação do júri que implicaria na liberdade de José Ramos Lopes Neto. Já os ministros Luis Roberto Barroso, Luiz Fux, Marco Aurélio Mello e Rosa Weber defenderam a validade do julgamento.

Com a decisão dessa terça-feira (10), José Ramos Lopes Neto terá que cumprir a pena na Penitenciária Barreto Campelo, em Itamaracá. Natalia Just, filha de Maristela e de Jose Ramos, afirma que acabou o período de apreensão com o risco do caso se tornar impune: