SECA

Alternativa para amenizar a seca no Agreste pode vir da Mata Sul de Pernambuco

Enquanto obras como a transposição do Rio São Francisco e a adutora do Agreste não entram em funcionamento, o desafio é encontrar saídas para minimizar os efeitos da seca

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 05/03/2015 às 14:00
Leitura:
Foto: Diego Nigro / JC Imagem


As saídas para a crise hídrica no Estado foram tratadas na Assembleia Legislativa em expediente especial, nesta quinta-feira (5). Para discutir o assunto, foram convidados agentes governamentais que tratam da questão da água. No semiárido, tradicionalmente região mais castigada, o Sertão possui nível de 7% nos reservátórios, enquanto o Agreste apresenta 11%. Já na Região Metropolitana, o estado é de conforto, com o nível das barragens operando em 50%.

Na audiência provocada pela deputada estadual Raquel Lyra, os parlamentares puderam conhecer a situação da água, seus mananciais e medidas em execução. Enquanto obras como a transposição do Rio São Francisco e a adutora do Agreste não entram em funcionamento, o desafio é encontrar saídas para minimizar os efeitos da seca. O secretário-executivo de Recursos Hídricos, Almir Ciryllo, apresentou algumas ações em desenvolvimento no Estado.

O Governo do Estado tem buscado recursos junto ao Governo Federal em visitas a Brasília na tentativa de que obras de segurança hídrica não parem as atividades.

Mais Lidas